Um texto de Rosely Sayão sobre formação educacional de hoje e do futuro

A escola daqui a 10 anos, por Rosely Sayão

Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/colunas/roselysayao/2014/04/1437342-a-escola-daqui-a-10-anos.shtml

08/04/2014  03h00

E se daqui a 10 anos a vida fosse muito parecida com a que vivemos hoje?

Se, por exemplo, o mercado de trabalho funcionasse como o conhecemos: com a oferta de empregos em empresas que teriam carga horária semanal predeterminada e horários de entrada e saída idem -com alguma flexibilidade- e com a possibilidades de horas extras de trabalho para os funcionários darem conta das tarefas exigidas?

Se, nessas empresas, os trabalhos exigissem uma formação acadêmica específica e as tarefas em equipe fossem realizadas como têm sido frequentemente hoje, ou seja, com um chefe -ou líder, como gostam de nomear as corporações que se pretendem inovadoras, mas que age como chefe mesmo, organizando sua equipe, cobrando e dividindo o trabalho entre os integrantes dos setores de modo que os resultados sejam parecidos com um “Frankenstein”, como é feito hoje?

Se os conhecimentos mais valorizados nos empregos fossem prioritariamente os técnicos e os especializados, adquiridos nas escolas, e se o acervo cultural das pessoas não fosse sequer averiguado, como hoje acontece?

E os cursos universitários? Seriam os mesmos de hoje, com pequenas variações, mas com funcionamentos tradicionais e direcionados a um mercado já estabelecido e estável.

E a tecnologia? Claro que esperamos que ela avance ainda mais, mas os aparelhos continuariam os mesmos, a maneiras de utilizá-los também, com uma pequena novidade a cada novo modelo. Exatamente como acontece, em geral, hoje.

Ah! E o uso da criatividade em qualquer função profissional? Seria como hoje, ou seja, um discurso interessante e estimulante que, na prática, cede espaço ao tradicional e ao conhecido.

Se o mundo, daqui a uns 10 anos, fosse exatamente assim, aí faria sentido todo nosso esforço para que a escola brasileira continuasse funcionando da mesma maneira.

Faria sentido, por exemplo, que os pais que têm recursos suficientes investissem tudo o que podem -e às vezes até o que não podem- para colocar o filho em uma escola considerada forte a fim de assegurar ao jovem uma boa colocação no vestibular concorrido de algumas poucas faculdades que oferecem cursos super tradicionais.

Se fosse assim, também faria muito sentido que valorizássemos tanto, no aprendizado escolar, a medição dos acertos que cada aluno é capaz de fazer nas provas. Da mesma maneira, também faria sentido valorizarmos o espírito competitivo com os outros que esse esquema de avaliação produz e entendermos que bom aluno é o que tira boas notas, independentemente do esforço que teve para tanto.

Se fosse assim, também faria sentido considerarmos irrelevante o fato de as escolas não valorizarem a brincadeira e o contato com a natureza na Educação Infantil, a prática para o aprendizado no ensino fundamental e a arte e a filosofia em todos os níveis de ensino.

Isso sem falar que também faria o maior sentido pouco nos importarmos, como agora, com o projeto de educação para a cidadania e a convivência respeitosa nas escolas.

Faria muito sentido também o fato de considerarmos de pouca importância o diálogo entre as escolas e as famílias dos alunos. Aqui, é bom lembrar que diálogo não significa, necessariamente, parceria.

Mas, pelo jeito, não será assim. Resta aos pais e à escola, portanto, torcerem para que o mundo permaneça igualzinho ao que é hoje.

admin

About Vivian Rio Stella

Sócia-fundadora da VRS Cursos, Palestras e Coaching. Doutora em Linguística pela Unicamp, atua como professora e coach em diversas instituições de ensino e empresas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>